quarta-feira, dezembro 13, 2017

Honda HR-V é pelo segundo ano o carro que menos desvaloriza após um ano de uso: 8,8%, segundo AutoInforme


O Honda HR-V é, pelo segundo ano consecutivo, o carro que menos desvaloriza no Brasil após um ano de mercado. O SUV recebeu o selo de Maior Valor de Revenda, prêmio realizado pela agência AutoInforme para o modelo que menos desvaloriza. Com 8,8% de depreciação no ano, o SUV da Honda manteve o posto de 2016, mas seguido de perto pelo Jeep Compass em sua estreia com 9,1% de desvalorização no ano. Outrora com menor desvalorização, o Chevrolet Onix veio em terceiro. A pesquisa avaliou os 132 modelos 0km mais vendidos, de 24 marcas, dessa vez classificados em 19 categorias. "Seis modelos vencedores desta edição pioraram suas posições em relação à terceira edição do estudo, com índices de depreciação maiores. São os casos do Volkswagen Up, Chevrolet Onix, Volkswagen Golf Variant, Toyota Hilux e o Volvo XC60. Até mesmo o Honda HR-V, campeão geral no ano passado com índice de 4,5%, caiu este ano, ficou com uma depreciação de 8,8%. Em compensação, outros cinco modelos evoluíram, como o Volkswagen Golf, Honda Fit, Hyundai HB20S, Honda City e Toyota Corolla, além dos Mercedes-Benz A200, Volkswagen Saveiro, Ford Fusion e Jeep Compass, que venceram este ano”, revelou Joel Leite, diretor do AutoInforme. Confira abaixo o Top Ten dos carros que menos desvalorizam e os campeões por segmento.


Top Ten
1. Honda HR-V – 8,8% 
2. Jeep Compass – 9,1% 
3. Chevrolet Onix – 9,2% 
4. VW up!, Fiat Toro, Nissan Kicks e Toyota Corolla – 9,3% 
5. Honda Fit – 9,7% 
6. Hyundai HB20S – 10,2% 
7. Honda City – 10,3% 
8. Renault Duster Oroch – 10,4% 
9. Toyota Etios Hatch e Honda Civic – 10,5% 
10. Toyota Etios Sedan – 10,6%

Segmentos
Crossover: Land Rover Range Rover Evoque: 16,7%
Hatch de entrada: Volkswagen up!: 9,3%
Hatch compacto: Chevrolet Onix: 9,2%
Hatch médio: Volkswagen Golf: 12%
Hatch premium: Mercedes-Benz Classe A: 14,3%
Híbrido/Elétrico: Toyota Prius: 11,3%
Minivan/Monovolume: Honda Fit: 9,7%
Perua: Volkswagen Golf Variant: 15,9%
Picape pequena: Volkswagen Saveiro: 11,8%
Picape compacta: Fiat Toro: 9,3%
Picape média: Toyota Hilux: 14,2%
Sedã de entrada: Hyundai HB20S: 10,2%
Sedã compacto: Honda City: 10,3%
Sedã médio: Toyota Corolla: 9,3%
Sedã grande: Ford Fusion: 14,5%
SUV de entrada: Honda HR-V: 8,8%
SUV compacto: Jeep Compass: 9,1%
SUV médio: Volvo XC60: 15,2%
SUV grande: Toyota SW4: 12,7%

Picape baseada no Jeep Wrangler, Scrambler, também terá opção de teto de lona removível


Com nome quase certo de ser Scrambler, a picape do Wrangler teve detalhes revelados e terá seu lançamento no final de 2018 nos EUA. Durante o Moab Easter Jeep Safari de 2016, a Jeep apresentou o Crew Chief 715 Concept, baseado na geração passada do Wrangler Unlimited. Era uma picape com teto de tecido e com design militar. Bom, algo daquele conceito deve inspirar a Scrambler. A picape do Wrangler também deve ser vendida com opção conversível. Conhecida internamente como JT, a picape será vendida com opção de teto de lona removível como opcional, assim como o Wrangler. E ele pode ser abaixado ou retirado por completo, revelou uma fonte interna da Jeep para o site Automotive News. A picape resgatará uma nomenclatura usada pela Jeep pela última vez em 1986. O rumor surgiu depois que a marca renovou o registro do nome, em 2015. Há ainda quem acredite que o nome pode ser Gladiator ou Comanche. A picape deve ser lançada em meados de 2019, alguns meses depois da apresentação do Wrangler e deve trazer quase que tudo do jipe, desde soluções mecânicas até mesmo componentes e peças. O design, como mostra a projeção do fórum, deve ser idêntico ao do Wrangler, mas com um pequeno acréscimo no entre-eixos para acomodação da caçamba. Será um carro relativamente leve para o porte e o segmento, tendo em vista que a Jeep apostará no uso de materiais leve na confecção da carroceria, incluindo portas e capô de alumínio. A picape será feita com base na configuração Unlimited do Wrangler quatro portas. De acordo com recentes informantes do JLWranglerForums, a FCA oferecerá a quarta encarnação do utilitário com nada menos que 6 diferentes tipos de motorização.


Fonte: Automotive News

Volkswagen revela teaser da nova geração do Jetta, que estreia no Salão de Detroit, em janeiro


Depois de ter imagens vazadas na fábrica de Pruebla, México, a Volkswagen começa a antecipar os teaser da nova geração do Jetta. O sedã, que deve ser apresentado no início de 2018, possivelmente no Salão de Detroit, em janeiro, começou a ser apresentado pela marca. Um dos últimos Volkswagen a adotar a plataforma modular MQB, o Jetta deve ficar maior e mais leve em sua nova geração. A sétima geração do Jetta deve se destacar por trazer mais vincos na carroceria, como os marcantes vincos do capô. Na lateral, destaque para o vinco que liga o corte dos faróis, por exemplo, e chegam a traseira. Esse vinco lateral demarca as maçanetas e ficam na parte superior das lanternas. O novo Jetta terá uma traseira de queda bem mais suave, quase ao estilo cupê. Pelas imagens, apostaríamos em um entre-eixos bem maior que o do modelo atual, de no mínimo 2,70 metros. Na traseira a tampa do porta-malas apresenta um vinco que imita um aerofólio, algo que o nosso Virtus também deve trazer. A parte superior das lanternas avança mais na tampa do porta-malas que a lanterna da geração atual. Na mecânica, o Jetta deve ser equipado com motores 1.5 TSI e 2.0 TSI. A Europa ainda deve manter a transmissão automática DSG de dupla embreagem, mas a América deve manter o Tiptronic. Aqui, o sedã estreia ainda no final de 2018, importado do México e com preços na faixa dos R$90.000.


Na onda de picapes com versões "esportivas", Mitsubishi apresenta a L200 Triton Athlete na Tailândia


A Mitsubishi apresentou a nova versão topo de linha da L200 Triton na Tailândia. Batizada de Athlete, a nova versão deve ser a nova opção topo de linha da picape, que se destaca pelo seu design mais esportivo. Além de um design mais invocado, a L200 Athlete conta com acessórios especiais de fábrica. Entre as novidades estão novas rodas de 17 polegadas de cor preta, grade frontal pintada, faróis com projetores e luzes de LED, além de adesivos inéditos nas laterais e santo-antônio integrado à caçamba. Na cabine, destaque para os revestimentos exclusivos dos bancos, o sistema multimídia compatível com recursos como o Apple CarPlay e o novo volante multifuncional de 4 raios. Oferecida apenas com carroceria cabine dupla, ela deve ser vendido em três cores: White Pearl (branco), Titanium Grey (cinza) ou Black Diamond (preto). A versão conta com motor 2.4 Turbo Diesel que desenvolve 181cv de potência e torque de 43,8kgfm, acoplado ao câmbio manual de 6 marchas ou automático de 5 velocidades, com tração 4x4. Cada vez mais comum, versões mais invocadas de picapes são vistos até mesmo no Brasil, como por exemplo Chevrolet S10 High&Country, Toyota Hilux Challenge, Volkswagen Amarok Extreme, entre outras. Quem sabe a Mitsubishi passe a produzir essa versão na fábrica de Catalão (GO) para o nosso mercado.



Lada pode voltar a América do Sul com nova geração do Niva e produção no Brasil em meados de 2021


A nova geração do Lada Niva deve ser apresentada entre 2018 a 2021 na Rússia com base no Dacia Duster. O SUV deve beber na mesma fonte dos novos SUVs Compactos sem perder as aptidões que elevaram sua fama de aventureiro nos mais de quarenta anos de mercado. Em recente entrevista com Oliver Murget, presidente da Renault-Nissan-Mitsubishi na América do Sul confirmou que a Lada deve retornar ao continente e podendo até mesmo produzir no Brasil, na fábrica de São José dos Pinhais (PR), ao lado do primo Duster. Com foco na exportação para países vizinhos, a marca russa se destacaria por oferecer tração 4x4 num segmento onde a maioria roda apenas no asfalto. Com o provável retorno previsto para meados de 2021, o novo Niva seria idêntico ao novo Duster, que no Brasil estreia em 2019. A plataforma B0 deve ser usada pelo russo, mas ainda assim o novo Niva deve manter todas as características de um legítimo off-road. Projeto inteiramente novo, o novo Lada Niva ainda não teve detalhes revelados, mas já ficou definido que deve receberia a mesma plataforma do Dacia Duster, mas agora foi confirmado. No design, espere por um Niva com inspiração em Vesta e Xray, os modelos mais novos da Lada e que marcam uma nova fase da russa. Apesar de ultrapassado, o Niva ainda vende bem na Rússia e em mercados da Europa Oriental e da Ásia. É atualmente produzido em versões de duas e quatro portas, e equipado com motor 1.7 a gasolina que desenvolve 82cv. A tração 4×4, uma das marcas registradas do modelo, é acionada através de duas alavancas.


Fonte: AutoPapo

Fiat suspende a produção do Punto na Europa por tempo limitado graças a queda nas vendas do hatch


A Fiat confirmou a suspensão da produção do Punto na Europa. O hatch compacto teve a produção interrompida por alguns dias na Europa. Ainda com futuro incerto, o hatch vem sofrendo com queda nas vendas. Produzido na fábrica de Melfi, Itália, o modelo vem registrando queda sucessivas até mesmo dentro do país natal da Fiat. Como forma de controlar os estoques, a Fiat está paralisando a produção. Hoje, a marca conta com estoque e, por isso, terá a produção interrompida entre os dias 18 a 30 de dezembro. Se em 2005 era considerado o grande trunfo da Fiat na Europa, hoje o Punto não encanta mais ninguém. Sem a mesma força para enfrentar a nova concorrência, o hatch italiano deve ganhar uma nova geração em breve (ou até mesmo um substituto), com base no Argo brasileiro, que deve ser apresentado em algum momento de 2018. Enquanto a nova geração não chega, as vendas sem mantém baixas. Em outubro de 2016, a nível de explicação da situação, o Punto tinha vendido 3.460 unidades, enquanto em outubro deste ano o hatch emplacou 2.682 unidades. No acumulado do ano a queda é de 39.274 unidades para 32.877 em 2017. Não há perspectivas de crescimento e a expectativa é que o Punto acabe sendo descontinuado dentro de pouco tempo, assim como já aconteceu no Brasil, onde foi vendido entre 2007 a 2017.


Jaguar XE SV Project 8 bate recorde em Nürburgring como carro de produção de quatro portas mais rápido


A Jaguar está anunciando o recorde que o XE SV Project 8 bateu na pista de Nürburgring, se tornando o carro de produção de quatro portas mais rápido do mundo. O sedã completou a volta em 7 minutos e 21,2 segundos, superando o Alfa Romeo Giulia Quadrifoglio Verde com seus 7m32s. Apresentado no Festival de Goodwood, o XE SV Project8 se torna o automóvel de passeio mais rápido já produzido pela marca. Desenvolvido em parceria com a SVO, o modelo entra para a lista dos Jaguares mais potentes já produzidos. Limitado a 300 unidades, o sedã se destaca pela chamativa cor laranja, além de capô, defletores e difusor de ar traseiro de fibra de carbono e um aerofólio ajustável. Outros destaques incluem rodas de alumínio forjado de 20 polegadas. Para manter as coisas sob controle, o SV Project8 conta com suspensão completamente revisada com molas mais rígidas e ajustáveis e amortecedores variáveis ​​que podem baixar a altura em relação ao solo em 15mm para uso em pista. O modelo conta com motor 5.0 V8 SuperCharged que desenvolve 600cv de potência e 71,3kgfm de torque, acoplado ao câmbio automático de 8 velocidades. Com esse belo conjunto ele acelera de 0 a 100km/h em 3,3 segundos e atinge 321km/h de velocidade máxima. No Reino Unido seu preço será de £149.995, algo em torno dos R$650 mil. Algumas unidades do sedã deve ser importadas para o Brasil em 2018.


terça-feira, dezembro 12, 2017

Volkswagen começa a produzir o Virtus na fábrica de São Bernardo do Campo, em São Paulo


A Volkswagen está dando início à produção do Virtus na fábrica de São Bernardo do Campo (SP), ao lado do Polo. O sedã, que será lançado no Brasil no dia 21 de janeiro, começou a ser produzido logo após a sua apresentação oficial. Com a produção do Virtus, a fábrica de Anchieta iniciou o seu terceiro turno, para dar conta da produção dos compactos e demais modelos produzidos. “Com o Polo e o Virtus, estamos iniciando a maior ofensiva de produtos da Volkswagen do Brasil de todos os tempos. Graças à grande expectativa do mercado pela chegada desses produtos, e ao sucesso do Polo, estamos acelerando a produção para abastecer os estoques de nossos concessionários e garantir o atendimento aos nossos clientes”, explica Pablo Di Si, Presidente e CEO da Volkswagen América do Sul e Brasil. A unidade Anchieta foi renovada para receber as tecnologias de Indústria 4.0. A estamparia recebeu, por exemplo, 214 ferramentais; a armação ganhou 373 robôs, inclusive com solda a laser; e a pintura passou por uma reprogramação para receber as novas cores e conta com um novo equipamento que aplica cera nas cavidades. A infraestrutura e áreas de planejamento, TI e logística também sofreram investimentos. Para a produção dos compactos, era necessário renovar a unidade fabril para receber a moderna plataforma MQB-A0, que ainda deve dar origem a dois novos automóveis no Brasil.


O Virtus possui um entre-eixos alongado em relação ao hatch. São 2,65 metros de entre-eixos conta 2,56 metros do Polo, quase 10cm de diferença. No comprimento, são 4,48 metros, com espaço no porta-malas de 521 litros, altura de 1,46 metro de 1,75 metro de largura. No design externo, o Virtus possui o mesmo design do Polo na dianteira, assim como o interior, no painel. O sedã também deve ser equipado com painel totalmente digital Active Info Display de 10,25 polegadas e os sistemas de infotainment, com o topo sistema Discover Media com tela sensível ao toque de 8 polegadas, além de três entradas USB e as plataformas Mirrorlink, Apple CarPlay e Android Auto integradas. A traseira do Virtus apresenta a nova filosofia da Volkswagen, com lanternas finas e com LEDs, invadindo a tampa do porta-malas. O para-choque traseiro possui um friso cromado em sua base inferior e a placa fica na tampa do porta-malas. Construído sobre a plataforma MQB-A0, o sedã foi apresentado com motor 1.0 12v TSI200 de 128/116cv de potência e 20,4kgfm de torque, que acelera de 0 a 100km/h em 9,9 segundos com Etanol, segundo a VW, com velocidade máxima de 194km/h. As versões mais simples devem ser vendidas ainda com motor 1.6 MSI Flex.




Ford Mustang deve ser lançado oficialmente entre janeiro a fevereiro no mercado brasileiro


A Ford confirmou que o lançamento oficial do Mustang deve acontecer no Brasil entre os meses de janeiro a fevereiro de 2018. A pré-venda, que se inicia ainda neste mês, terá a primeiras unidades entregues nos próximos dois meses. O novo Mustang será vendido apenas na versão GT Premium e até o momento apenas o Coupé está confirmado. Essa deve ser a primeira vez que o Mustang será vendido no Brasil em quase 100 anos da Ford no país. Até o momento as unidades que chegaram ao Brasil eram por importadores independentes. O Mustang 2018 recebeu mudanças no visual, novas tecnologias, melhorias no conjunto mecânico, suspensão MagneRide e um novo câmbio automático de 10 marchas como opcional. Entre as novidades visuais, o Mustang ganha faróis redesenhados de LED, piscas e faróis de neblina com novo formato e também em LED, grade reestilizada, para-choque com novas linhas, capô mais baixo e com novas entradas de ar, para-lamas dianteiros redesenhados, novas lanternas traseiras de LED e para-choque traseiro redesenhado, que integra as quatro saídas de escapamento do modelo GT. Por vir apenas na versão GT, o Mustang será equipado com motor 5.0 V8 de 450cv de potência acoplado ao moderno câmbio automático de 10 velocidades, que deve acelerar de 0 a 100km/h em 4 segundos. Preços devem ficar acima dos R$300.000.


Com baixas vendas para produção nacional, Chery Celer Hatch pode sai de linha nas próximos meses


Adquirida pela CAOA este ano, a operação brasileira da Chery parece que já começou as mudanças. Enquanto o QQ sustenta a marca no mercado, o Celer Hatch parece ser a primeira vítima da CAOA. Segundo o grupo, o hatch já não é mais produzido em Jacareí (SP) enquanto a versão sedã deve se manter no mercado por mais algum tempo. Reavaliando todo seu lineup no mercado, o Celer Hatch vendia média de 15 a 40 unidades mensais, números irrisórios para manter a produção nacional. Atualmente não se sabe dizer se a marca, de fato, retirou o hatch de mercado, visto que a Chery tinha uma grande quantidade de estoque no pátio da fábrica. Primeiro chinês a ser produzido no Brasil, o hatch chegou ao nosso mercado em 2013 e já em 2015 passou pelo seu primeiro face-lift, quando começou a ser produzido no nosso mercado. Na época, ele recebeu novos faróis, grade, capô, para-choque dianteiro e traseiro, lanternas que recebem LEDs, tampa do porta-malas e novas rodas de liga leve. No interior, todo o painel é novo, com destaque para o quadro de instrumentos, bem mais moderno e com saídas de ar que lembram os carros da GM. O Celer Hatch chega ao Brasil em duas versões: A Look e a Act, ou seja, o hatch passa a oferecer um leque maior de versões comparado ao modelo anterior, vendido em versão única. De série é equipado com ar-condicionado, airbag duplo, computador de bordo, espelhos retrovisores com ajuste elétrico, direção hidráulica, faróis com ajuste elétrico, freios ABS com EBD, sensor de estacionamento traseiro, travas elétricas, vidros elétricos nas quatro portas, entre outros. O motor é o conhecido 1.5 16v Flex Acteco, que desenvolve agora 113/109cv de potência, com torque de 15,5/14,2kgfm de força, sempre acoplado a um câmbio manual de cinco velocidades. Em comparação ao antigo motor (que na verdade era o mesmo, mas estava desatualizado), desenvolvia 108/108cv de potência com torque de 14/14kgfm. O preço do hatch é de R$38.990, mas volta e meia era vendido com descontos.


Fonte: Autoesporte